Clinamen – 22/10/2013

A coordenação do Clinamen – Seminário Permanente de Filosofia – convida toda a comunidade acadêmica para prestigiar a palestra O sensível partilhado: Diálogos entre a política e o espetáculo na filosofia estética de Jacques Rancière, a ser ministrada pelo Professor Moreno Baêta Neves Barbé (IFAL/Filosofia) na próxima 3ª feira, a partir das 18 horas, no Auditório do Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes (ICHCA).

Resumo da palestra:

Em La partage du sensible (2000), Jacques Rancière define o campo estético a partir do conceito partilha do sensível,  que constitui um sistema de ordenamento dos lugares e dos recortes das experiências realizadas pela comunidade. Para o filósofo, a dimensão estética antes de pertencer propriamente ao conjunto de trabalhos e atos artísticos, se efetiva na divisão/participação/separação do sensível que é comum ao sócius, enquanto expressão política e resultante do conflito permanente das decisões coletivas. É a partir dessa estética primeira que se pode colocar a questão das “práticas estéticas”, no sentido em que entendemos, isto é, como formas de visibilidade das práticas da arte, dos lugares que ocupam, do que “fazem” no que diz respeito ao comum (A partilha do sensível, p.17). Nesta perspectiva, os sistemas e os fazeres artísticos, agenciados pela narrativa de Rancière, serão aqui compreendidos em três principais linhas, que estabelecem: seu regime ético de questionamento da fabricação das imagens, de suas origens e as suas finalidades; o regime poético ou representativo do universo das artes; e o regime estético que é instaurado pelo campo das belas artes, enquanto categoria que determina as produções efetivamente artísticas. O diálogo proposto terá como meta apresentar as principais análises construídas por Rancière sobre a arte e o seu envolvimento com a política. Nesta abordagem emergem como plano de fundo as experiências contemporâneas do espetáculo, que descortinam a comunidade como ação conformadora e de separação das potências emancipadoras do ser-político.

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.